‘Doença da urina preta’: audiência publica vai discutir incidências e impactos econômicos no Pará

-

Proposta foi apresentada pelo presidente da Comissão Permanente de Apoio à Pesca e Aquicultura da Assembleia Legislativa do Estado, deputado Orlando Lobato.

Na manhã desta quarta-feira (22), no auditório João Batista, da Assembleia Legislativa do Estado do Pará (Alepa), uma audiência pública semipresencial vai discutir incidências e origens da Doença de Haff, conhecida como ‘Doença da Urina Preta’. Proposto pelo deputado Orlando Lobato (PMN), presidente da Comissão Permanente de Apoio à Pesca e Aquicultura, o encontro também deve abordar os impactos econômicos provocados pela doença.

Segundo relatos de pescadores, vendedores de peixes e demais comerciantes ou trabalhadores da cadeia produtiva, o medo por parte da população provocou a queda geral nas vendas de pescado, se estendendo para além daquelas espécies associadas à doença, que são pirapitinga, pacu, tambaqui e crustáceos, como o camarão. Trabalhadores do setor chegam a afirmar que o impacto econômicos tem sido maior do que o provocado pela pandemia da covid-19.

Alguns municípios do interior do Estado, entre eles Santarém, chegaram a proibir a comercialização de peixes vindos do Amazonas ou a recomendar o não consumo dessas espécies por parte da população. Em Belém, feirantes têm reagido à queda nas vendas. Na manhã da última sexta-feira (17), as avenidas Boulevard Castilho França e Portugal, no bairro da Cidade Velha, foram fechadas pelo movimento intitulado “Grito dos trabalhadores da Pedra do Peixe”, que cobrava mais informações sobre a doença. “Não podemos aceitar esse tipo de sacanagem com o pescado. Sem que a academia comprove, não vou aceitar que o peixe seja taxado como algo que não se pode comer, como algo ruim”, declarou, na ocasião o deputado Orlando Lobato. 

Na última segunda, trabalhadores do mercado do Guamá realizaram um protesto e distribuíram tambaqui assado para quem passava pelo local. Até o momento, no Pará, existem oito casos suspeitos da doença. Três desses casos são de Belém, sendo que, segundo a Secretaria Municipal de Saúde (Sesma), dois desses pacientes tiveram diagnóstico médico sugestivo da doença, contudo, não apresentaram todos os critérios clínicos que definem a Síndrome de Haff.

Texto: O Liberal

Parceiros
spot_imgspot_imgspot_img

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

spot_imgspot_img
Parceiros

Must Read

Coronavírus: Governo anuncia quarentena de cinco dias para viajantes não vacinados...

0
Após o período de quarentena definido, os viajantes deverão realizar um teste do tipo RT-PCR com resultado negativo. O governo federal anunciou nesta terça-feira (7)...