Médicos anunciam 4º paciente curado do HIV no mundo

O homem recebeu um transplante de medula óssea para tratar a leucemia. O tratamento contra o câncer acabou fazendo com que o HIV também entrasse em remissão.

A notícia de que uma quarta pessoa foi “curada” do HIV através de um transplante de médula óssea encheu de esperança os cientistas que tentam encontrar uma forma de reverter o poder da doença que atormenta o mundo há décadas.

Segundo os médicos responsáveis pelo tratamento, o homem, de 66 anos, vivia com o HIV desde 1988. Mas tudo mudou quando ele recebeu o transplante de medula óssea, para tratar um caso de leucemia. O doador, além de saudável, também era resistente ao vírus. O tratamento não apenas fez com que o câncer entrasse em remissão, mas também o HIV.

O homem não teve seu nome divulgado, mas está sendo chamado de Paciente City of Hope (“Cidade da Esperança”, em português), em alusão ao hospital onde o tratamento foi realizado, na cidade de Duarte, na Califórnia.

Apesar disso, o paciente se manifestou por meio de um comunicado à imprensa. Na nota divulgada pelo hospital, ele agradece aos médicos por não ter mais que conviver com o vírus e o risco de desenvover AIDS. No entanto, ele também lamentou ter perdido vários amigos para o HIV sem que eles tivessem a oportunidade de utilizar os modernos medicamentos antirretrovirais e, em último caso, o transplante de médula óssea como foi o caso dele.

“Quando fui diagnosticado com HIV em 1988, como muitos outros, pensei que era uma sentença de morte. Nunca pensei que viveria para ver o dia em que não tivesse mais HIV”, disse o paciente.

Cura universal ainda está longe

Embora este caso seja certamente motivo de comemoração, os especialistas envolvidos no esforço dizem que ainda estamos muito longe de uma cura universal.

O vírus da Imunodeficiência Humana (HIV) afeta o sistema imunológico do corpo e pode causar a Aids (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida), que se manifesta por meio da destruição progressiva das defesas naturais do corpo contra infecções.

O transplante realizado pelo paciente não tinha como objetivo tratar a infecção por HIV, mas sim uma leucemia, que desenvolveu aos 63 anos. Ele acabou recebendo a imunidade por coincidência.

A remissão do HIV é geralmente definida quando a carga viral do HIV permanece indetectável após a interrupção do tratamento. No caso do Paciente City of Hope, os exames realizados em seu corpo não têm detectado vírus há mais de 17 meses.

“Ficamos entusiasmados em informá-lo que seu HIV está em remissão e que ele não precisa mais tomar a terapia antirretroviral que estava usando há mais de 30 anos”, declarou Jana Dickter, infectologista do hospital.

Por DOL.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui