Vereador de Belém ofende jornalista no Plenário da Câmara

Pelas redes sociais, Joaquim disse que sua opinião pessoal independe de classe social, partido politico ou empresa a qual trabalha.

O vereador de Belém Joaquim Campos (Podemos) chamou a jornalista Patrícia Campos Mello, do jornal Folha de São Paulo, de vagabunda, no plenário da Câmara Municipal, durante a sessão desta quarta-feira (19). Entidades que representam jornalistas, o partido de Joaquim, outros vereadores e até o governador Helder Barbalho (MDB) reagiram às declarações do parlamentar. “Como pai, esposo e filho, fico chocado ao ver ataques como o do vereador Joaquim Campos (PODEMOS) à jornalista Patrícia Campos Mello, principalmente por vir de um profissional de comunicação”, escreveu Helder, nas redes sociais. “As diferenças de ideias devem ser tratadas sempre dentro dos limites da civilização e do respeito com a sociedade. Repudio totalmente este tipo de comportamento político”, disse o governador, em outro post. As discussões, na Câmara, começaram durante pronunciamento do vereador Toré Lima (Republicanos) que, da tribuna, criticou o presidente Jair Bolsonaro pelas expressões de cunho sexual que ele utilizou ao se referir à jornalista. Um dia antes, em tom jocoso, o presidente afirmou que Patrícia “queria dar um furo a qualquer preço” contra ele. Joaquim reagiu às críticas de Toré usando palavras ofensivas à Patrícia, e outros vereadores entraram na discussão.

Procurado por O Liberal, Joaquim Campos disse não lembrar de ter chamado a jornalista de vagabunda, que tudo está registrado e que assume o que tiver dito. “Era tão acalorada a discussão, que posso até ter falado”. Segundo ele, o presidente Jair Bolsonaro também foi atacado pelos vereadores. “Quando o presidente da esquerda disse que as mulheres do Nordeste tinham o órgão genital duro, ninguém falou nada. O vereador (Fernando Carneiro), se dirigiu ao Bolsonaro chamando ele de ladrão, parecia que estava se referindo ao governo do Lula. Nesta hora, estava um clima acalorado. Ele se dirigiu à presidente (Simone Kahwage) de forma grosseira também”.

Pelas redes sociais, Joaquim disse que sua opinião pessoal independe de classe social, partido politico ou empresa a qual trabalha. “Como também não concordo que trocar informações por sexo seja JORNALISMO. Essa é minha opinião, independente de qual seja a sua!”, publicou.

As declarações de Campos e Bolsonaro se referem ao depoimento de Hans River, ex-funcionário de agência de disparos de mensagens em massa por WhatsApp, que afirmou que a jornalista se insinuou sexualmente a ele para obter informações. “Você acompanhou a CPI das Fake News? Ele deixa bem claro que ela teria sugerido sexo para conseguir o furo de reportagem”, disse Joaquim, ao ser procurado pela reportagem. Patrícia e a própria Folha de São Paulo desmentiram as acusações de Hans, divulgando o histórico de mensagens entre os dois, mostrando que foi ele quem tentou desviar o foco do diálogo e a convidou para assistir a um show, mas ela ignorou o convite.

Em nota, o Podemos prestou solidariedade a jornalista da Folha de São Paulo e à vereadora de Belém Nazaré Lima, que também teria sido atacada pelo vereador Joaquim Campos durante a sessão na Câmara. O partido informou ainda que a Direção Estadual, por unanimidade, encaminhou pelo acionamento do referido vereador no conselho de ética, iniciando assim, o processo de expulsão. “Nascemos como partido sustentado por ideais democráticos. Atitudes como essa não serão toleradas, o Podemos é defensor intransigente do respeito e dos direitos”, diz a nota.

O Sindicato dos Jornalistas do Pará (Sinjor/PA) e a Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj/PA) repudiaram a falta de decoro do vereador Joaquim Campos e, em nota, exigiram que o presidente da Câmara, vereador Mauro Freitas (PSDC), a presidência do MDB em Belém e no Pará tome providências quanto ao comportamento do vereador. As entidades disseram que também vão estudar quais medidas jurídicas podem ser tomadas em relação ao fato.

CÂMARA

Por meio de nota, a Câmara Municipal de Belém diz que, conforme prevê a Constituição no Art. 29/ VIII, os vereadores que compõem o poder legislativo têm como prerrogativa a imunidade parlamentar para expor suas ideias, além de livre direito de manifestação perante qualquer tema. “A Câmara  afirma ainda que a opinião ou discurso pessoal de um vereador não representa o pensamento plural da casa e que cabe a cada parlamentar o discernimento, assim como a responsabilidade pelos atos praticados”.

Fonte: Keila Ferreira/ Redação integrada

Oferecimento:
IEPAM- Moju
Cruzeiro Do Sul Virtual
Faculdade Fam- Abaetetuba
Farmácia Do Trabalhador De Moju
Uniasselvi – Moju
Açaí e Cia Gold
Nenem Moto Peças
GBS NET
Graf Art
Supermercado Leal
Mundo da construção
Ideal Magazine
Agapes Auto Elétrica.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui