Quatro criminosos armados são mortos pela polícia em Mãe do Rio; um suspeito fugiu e outro foi preso

No dia 16 de janeiro, o bando teria feito um empresário e a família dele reféns, em São Domingos do Capim. Após as investigações, policiais confrontaram os criminosos no esconderijo em Mãe do Rio

Policiais civis e militares mataram quatro homens armados em Mãe do Rio, nesta sexta-feira (20), no bairro Novo Horizonte. O bando, formado por pelo menos seis pessoas — um fugiu e outro foi preso —, teria assaltado e feito uma família refém em São Domingos do Capim, no último dia 16 de janeiro. Não há informações de policiais feridos na operação. Muitas armas de calibres restritos foram encontradas e apreendidas.No dia 16, o bando atacou a família de um empresário conhecido de São Domingos do Capim, que teve pertences e dinheiro em espécie roubados após a violenta ação dos criminosos. Rapidamente, o grupo fugiu do município e, desde então, a Polícia Civil passou a monitorá-lo. Uma operação foi montada para abordar o imóvel.

Quando os policiais abordaram o imóvel, esbarraram com quatro homens que estavam de segurança no local. Houve troca de tiros e foi quando os criminosos morreram. Ainda não há informações sobre o fugitivo. O preso foi conduzido à Delegacia de Mãe do Rio para prestar depoimento.Na casa, além de várias armas longas e de alto poder de fogo, foram encontrados instrumentos que comumente são usados por assaltantes de banco, como alicates de pressão, chaves e serras, além de rádios transmissores. As investigações agora tentam desvendar se eles faziam parte do mesmo bando que assaltou bancos em Garrafão do Norte e Ipixuna do Pará, no estilo “vapor” ou “novo cangaço”.Quaisquer informações que possam ajudar na identificação de outros suspeitos podem ser encaminhadas ao Disque-Denúncia (181). A ligação é gratuita e pode ser feita de qualquer telefone. Também é possível mandar fotos, vídeos, áudios e localização para a atendente virtual Iara, pelo WhatsApp (91) 98115-9181. Em ambos os casos, não é necessário se identificar.

O Liberal

Deixe uma resposta