Pará subnotifica casos de exploração sexual infantil, diz Bispo do Marajó.

MPPA reuniu entidades em seminário sobre tráfico de pessoas, migração forçada e atenção a refugiados.

Segundo país entre os que mais somam casos de abusos contra crianças e adolescentes, o Brasil perde apenas para Tailândia nesse ranking. Estima-se que cerca de meio milhão de meninos e meninas, a maioria entre 7 e 14 anos, são explorados sexualmente a cada ano no País, apontam entidades que combatem esse crime. No Pará, esses casos são subnotificados. O estado não possui números consolidados sobre esse problema, aponta a Comissão de Jutiça e Paz da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).

Os dados foram debatidos esta manhã no Ministério Público do Pará (MPPA), durante o Seminário Estadual “Tráfico de Pessoas, Migração Forçada, Refúgio e Atenção Humanitária”, realizado com participação de várias entidades. O evento lotou o auditório Nathanael Farias Leitão, na rua João Diogo, na Campina. O objetivo do encontro é fortalecer a rede institucional de proteção às vítimas, pessoas vulneráveis e populações envolvidas nesses focos de atenção de políticas públicas na Amazônia.

A região do Arquipélago Marajoara é uma das que mais enfrenta esse problema. Somente esse ano, cinco casos foram notificados nos rios do Pará e o Amapá, o que mostra a necessidade de avanço no combate a esses crimes, apontou durante a conferência “Direitos Humanos e Tráfico de Pessoas na Amazônia” o bispo Dom Evaristo Pascoal Spengler, bispo da Prelazia do Marajó e membro da Comissão de Justiça e Paz da CNBB.

Denúncias precisam ser ampliadas, diz bispo
“A subnotificação desses casos nos preocupa, porque muitas vezes, por falta de consciência, as pessoas acabam entendendo o crime como algo normal, ou por vergonha ou medo de denunciar, ou por entender que não vai ser bem recebida, porque a vítima acaba sendo mais uma vez vitimizada quando vai denunciar. Mas a gente sabe que existem muito mais casos. Somente em um relato de Portel soubemos que cinco senhoras traziam cinco bebês para Belém, as crianças choravam no navio, alguém tentou se aproximar e depois descobriram que as crianças foram trocadas por uma cesta básica. Então, não foram notificadas, foram traficadas e até hoje não aparecerem nos números. Assim como esse caso, existem muitos”, avaliou o bispo.

Para Dom Evaristo Pascoal Spengler, é importante sensibilizar o olhar das pessoas para conseguirem ver o crime onde ele existe, por meio das escolas, igrejas, enfim, todos os locais onde há pessoas reunidas e haja a formação de uma rede de proteção incluindo vários órgãos e entidades.

Durante o seminário todos os registros foram efetivados pelo MPPA e serão encaminhados às instituições participantes e às autoridades competentes para aprimoramento das políticas públicas. Contudo, durante o seminário ficou evidente que os órgãos competentes precisam aperfeiçoar as políticas públicas, mas a sociedade também precisa estar atenta e denunciar esses crimes.

Para denunciar, ligue para o Disk Denúncia 180.

Fonte: O Liberal

Oferecimento:
IEPAM- Moju
Cruzeiro Do Sul – Polo Moju
Casa Da Tapioca Mojuense
Farmácia Do Trabalhador De Moju
Top Modas
Açaí Dicasa Delivery
Lady Stetic Center
Sorveteria Tropical
Moda Rio
Açaí e Cia Gold
Nenem Moto Peças
Supermercado Leal.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui