Moradores continuam denunciando ameaças por parte da BBF, em Moju

-

Empresa que comprou recentemente a Bio Palma já conta com mais de 40 processos contra ela na justiça e tem sido denunciada amplamente pela imprensa no Pará. Moradores dizem que ‘jagunços’ a mando da empresa estão os ameaçando.

Mais uma vez, os moradores da Nova Conquista, que é uma área agrícola que está sob disputa judicial, denunciaram ao Portal Moju News que estão sendo ameaçados por ‘jagunços’ que chegam com armas pesadas os intimidando.

O presidente da Associação dos Moradores, Pr. João, afirma que estão até ‘prendendo’ os moradores da Vila.

Os agricultores afirmam que o grupo é ligado à segurança da empresa Brasil BioFuels (BBF), que comprou em novembro de 2020 a Biopalma, empresa produtora de óleo de palma da mineradora Vale.

Foto: Dinelson Barbosa

Informações no site da BBF apontam que a empresa atua em quatro polos de produção de palma no Pará, que ficam na região do vale do Acará e no Baixo Tocantins, atuando em cerca de 56 mil hectares de palma de óleo plantadas e 6,8 mil hectares em projetos de agricultura familiar. O empreendimento tem expectativa de produzir 200 mil toneladas de óleo vegetal até 2022.

A empresa tem sido denunciada pela grande mídia no Pará. G1, Liberal e outros veículos tem divulgado matérias que relatam agressão a agricultores de Tomé-Açu, Acará e Moju.

Processos

O presidente e CEO da empresa, Milton Seagal, responde a dezenas de processos na Justiça. O empresário iniciou as atividades em Roraima, em 2008. No site Jusbrasil, Seagal está relacionado a 45 processos, tanto na esfera trabalhista, fiscal, quanto criminal. 

O Portal Moju News entrou em contato com a Assessoria de Comunicação da BBF e, por meio de sua assessoria de imprensa, a Brasil BioFuels deu uma versão diferente da dos agricultores. Segue a íntegra da nota encaminhada ao Portal:

“A Brasil BioFues (BBF) informa que a área situada na zona rural de Moju, trata-se de uma ocupação irregular denominada por Nova Conquista. Os imóveis rurais são de propriedade legal da BBF.
A BBF reitera que na área de proteção ambiental da Companhia vem sendo promovido um grande desmatamento ilegal, associado a criação de um loteamento clandestino, já comunicado algumas vezes as autoridades competentes e, inclusive, há registros na Polícia local de que grupos armados estão instalados dentro das áreas da BBF cometendo uma alta quantidade de crimes.
Atualmente, tramita ação de Reintegração de Posse movida pela Companhia – Vara de Moju – Processo Nº 0800127-44.2020.8.14.0031 – na qual a BBF aguarda manifestação do Judiciário, conforme as robustas evidências já apresentadas nos autos.
A BBF reitera que está à disposição para contribuir com a apresentação dos boletins de ocorrências que possui registrados, tão logo seja solicitado.
A Companhia reforça que respeita e valoriza as pessoas e os saberes tradicionais e reafirma seu compromisso social ambiental, econômico e energético. O Grupo BBF opera ativos com vista no longo prazo – abordagem que dita sua estratégia de investimento e seu compromisso com as práticas ambientais, sociais e de governança e é uma empresa comprometida com práticas que têm um impacto positivo nas comunidades em que atua.”

Parceiros
Jackson Silvahttps://mojunews937249793.wpcomstaging.com
Jornalista com registro sob o número 0003331/SRTB-PA, publicitário, pós-graduando em jornalismo esportivo e cristão.
spot_imgspot_imgspot_img

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

spot_imgspot_img
Parceiros

Must Read

Preocupante: Marabá atinge 100% de ocupação de leitos de UTI

0
A nova onda de contaminação no município está lotando o Hospital Municipal da cidade ma nova onda da Covid-19 assola Marabá, no sudeste do estado....