Jornalista sofre agressões durante seu trabalho em Cametá

Leosan Arnold, do blog que leva seu nome, foi agredido por dois empresários na Vila Curuçambaba, zona rural do município.

O jornalista Leosan Arnold, do Blog Leosan de Cametá, foi agredido por dois empresários no último domingo, 25, ao realizar o seu trabalho na zona rural do município.

Leosan fazia a cobertura de uma festa tradicional na vila do Curuçambaba quando, em determinado momento, foi agredido por dois homens, que seriam empresários da região.

Ele conta que já havia sido ameaçado pelos autores da agressão, mas não os conhecia pessoalmente. Ele também não sabia que os autores da agressão estariam na localidade em que ele realizava suas atividades.

O jornalista registrou boletim de ocorrência virtual e aguarda posicionamento das autoridades.

Leia na íntegra o relato do profissional da comunicação:

“Boa tarde eu sou do blog Leosam Arnoud de Cametá baixo Tocantins Estado do Pará.

Trabalho na área de comunicação alternativa no Estado do Pará através das plataformas de redes sociais fanpage @Blog Leosam Arnoud, Instagram @Blog Leosam Arnoud, lá eu faço as minhas publicações levo as informações, notícia e denúncias de irregularidades e corrupção.

Então pela manhã de domingo (25) eu sair da área urbana de Cametá para a vila de curuçambaba Distrito pertencente ao município. Para fazer alguns trabalhos de gravações das praias e balneários para mostrar as belezas e a cultura local para fomentar o turismo na região.

Realizei várias gravações de várias praias ebalneários pela parte da manhã até pela parte da noite.

E chegando a noite por volta das 7:30 eu procurei o senhor preto Melo. agente distrital da vila. para buscar apoio de transporte para que eu pudesse realizar os vídeos que faria dos trabalhos de manutenção da PA-467 vicinal da vila que dá acesso a PA 151.

Então eu tava precisando de apoio de transporte para o amanhecer de segunda-feira (26). para que eu pudesse realizar essa gravação.

Porque o governo do estado do Pará está fazendo a manutenção dessa vicinal que compreende 18 km, com vários pontos críticos de buracos na vicinal.

Então ao entrar na propriedade do senhor preto Melo eu fui descendo de motocicleta junto com um amigo até o término da propriedade que é um balneário. Estavam várias pessoas se divertindo e ingerindo bebida alcoólica no qual entre elas estava o cidadão de nome ‘Paulo Bahia’ que no dia 03/03/2021. esse mesmo cidadão havia enviado áudios de ameaças invadindo o meu PV WhatsApp dizendo que me bateria que ia fazer o que quisesse.

Eu não o conhecia pessoalmente porém ele ao me avistar veio para cima de mim começou a me empurrar e desferindo golpes na tentativa de acertar meu rosto dizendo que me atiraria com arma de fogo E no momento que eu comecei a me afastar em defesa outro integrante que estava bebendo o nome ‘Tiago Melo’ que é filho do proprietário preto Melo jogou uma garrafa numa distância de uns 3 m em minha direção eu observei o reflexo de que a garrafa poderia pegar em meu rosto de cheio acabei me esquivando e acabou que acertou meu braço uma garrafa de cerveja e nesse momento as pessoas começaram a segurar eles e eu fui subir na motocicleta e quando o ‘Paulo Bahia’ desferiu um golpe o tapa que acabou pegando ainda no meu rosto e o rapaz está conduzindo a motocicleta acelerou a velocidade para poder sair do local e procurei a polícia militar da localidade porém se omitiram em descer e averiguar o ocorrido, tive que sair do local e vindo embora para a residência que eu estava hospedado e acabei não concluindo o restante das minhas gravações que ainda e Faria pela noite pela madrugada comecei a realizar o boletim de Ocorrência virtual assim como também protocolei manifestação ao Ministério Público Estado do Pará sobre o fato ocorrido.

Então a pessoa que havia ameaçado eu conheci naquele dia não sabia de quem se tratava e eles agiram de má-fé e de forma covarde me atacando daquele jeito sem poder me defender E além disso no momento que procurei os policiais da região ele se omitiram aí no local e ficou Por isso mesmo eu tive que procurar os meus direitos através dos sites da segurança pública e da defensoria Pública.

O que eles fizeram com uma pessoa que representa a imprensa alternativa no município de Cametá baixo Tocantins Estado do Pará não é correto porque nós estamos reivindicando os direitos da nossa população e também tornando público as informações e notícias a todos não aceitamos que uma pessoa que não Concórdia com nossos trabalhos de tornar público as mazelas sociais as irregularidades e principalmente as corrupções façam o que acharam na cabeça com as pessoas que têm a coragem de denunciar tem a coragem de cobrar tem a coragem de reivindicar em favor da nossa população.”

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui