Helder Barbalho reúne com ministro Edson Fachin e reforça a importância da taxa minerária para desenvolvimento do Estado

Foto: Jader Paes - Agência Pará

O governador Helder Barbalho esteve em audiência virtual, nesta segunda-feira (31), com o ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), para demonstrar a constitucionalidade da taxa minerária, instituída pelo Governo do Estado às mineradoras instaladas em território paraense, bem como a importância social e econômica que o instrumento representa ao desenvolvimento do Pará. O ministro é o relator da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 4785, proposta contra a lei do Estado de Minas Gerais e que tem similaridades com a ADI 4786, ajuizada contra a lei do Estado do Pará. Além disto, também será um dos ministros a votar na ação paraense. 

“O objetivo de pedirmos para dialogar diz respeito à apreciação, por parte do Supremo Tribunal Federal, da taxa minerária. O nosso estado é o maior produtor de minério de ferro do Brasil. Nós, inclusive, ultrapassamos o Estado de Minas Gerais e, hoje, a atividade da mineração divide com a atividade do agronegócio os principais pilares econômicos do Pará. Encontramos na taxa uma ferramenta importante de compensação pelos problemas sociais e ambientais que o processo de exploração e de extração do minério causam. Isto nos permitiu não apenas ações de fiscalização, mas tem sido uma ferramenta importante para suprir todos estes impactos. Temos uma peculiaridade no nosso Estado, que é a não verticalização da mineração, ou seja, temos em sua ampla e majoritária atividade apenas a extração do minério, mais de 90% do que é extraído do nosso solo tem como destino a exportação”, disse o chefe do Executivo. 

Helder Barbalho também reforçou que, em decorrência da Lei Complementar 87/1996 (mais conhecida como Lei Kandir), que regulamentou o  ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) e isentou desse tributo os produtos primários (brutos) e semi-industrializados destinados à exportação, dentre eles o minério, o Pará vem deixando de arrecadar valores importantes e compensatórios pela exploração da atividade no Estado. 

“Pela ausência da verticalização, somos apanhados pelo benefício da Lei Kandir. Encontramos como única solução de tributação a taxa minerária, já que ela representa 0,56% de participação na receita bruta dos indicadores de toda a atividade mineral. Portanto, é um percentual irrisório de cobrança, mediante o volume que é operado só no Estado do Pará pela atividade da extração e exportação de minérios. E isto precisa ser destacado, porque estes números demonstram, claramente, que o percentual para as mineradoras é quase nada, mas, para nós, estamos falando em valores arrecadados próximo de R$ 500 milhões. No exercício anterior, este valor representa algo como 40% de toda a capacidade de investimento que o Estado possui em um exercício. Se é irrisório na composição do preço do minério, a cobrança ou existência da taxa, para o nosso lado se transformou num ponto estratégico de equilíbrio da nossa capacidade arrecadatória, na composição das receitas do Estado”, reforçou o governador do Pará. 

Durante a reunião, o governador do Pará esteve acompanhado do procurador-geral do Estado, Ricardo Sefer e do procurador do Estado, Antônio Saboia Neto.  

TRIBUTO

A Taxa de Controle, Acompanhamento e Fiscalização das Atividades de Pesquisa, Lavra, Exploração e Aproveitamento de Recursos Minerários (TFRM) está disposta na Lei 7.591, editada pelo governo estadual em dezembro de 2011, e cobra tributo sobre a atividade em virtude do exercício de fiscalização e de controle em seu território. 

São contribuintes dela pessoas físicas e jurídicas que, a qualquer título, estejam autorizadas a realizar pesquisa, lavra, exploração e aproveitamento de recursos minerários no Estado, sendo que seu valor é cobrado tendo como base a quantidade de minério extraído proporcional aos gastos públicos disponibilizados para a fiscalização dos contribuintes. 

De acordo com o Decreto Estadual 1.353/2021, publicado em março deste ano, a taxa minerária voltou a ser cobrada sem as reduções nos valores, instituídas pelos decretos 1.432/2015 e 1.510/2016, que promoveram benefícios em favor dos contribuintes. 

“Tivemos hoje uma audiência muito produtiva com o ministro Edson Fachin e conseguimos expor a relevância econômica e social da taxa para o Estado do Pará, e as razões jurídicas que fundamentam a legalidade do tributo. Fomos muito bem recebidos, muito bem atendidos pelo ministro, que já nos antecipou uma grande sensibilidade à tese do Pará. Quanto a isso, temos uma expectativa muito positiva de que, quando esse tema voltar à julgamento no Supremo, nós teremos um encaminhamento favorável ao Estado”, finalizou o procurador-geral do Pará, Ricardo Sefer. 

Ainda de acordo com o procurador-geral, o julgamento, que deve decidir pela manutenção ou não da TFRM, está previsto para ocorrer nos próximos meses.

Por Agência Pará

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui