MPF apura níveis altos de cianobactérias na região de Barcarena

-

Microorganismos que provocam o fenômeno podem ser prejudiciais à saúde humana.

As causas para a água esverdeada e de cheiro forte que nas últimas semanas vem sendo detectada em maior intensidade no rio Pará, no nordeste paraense, estão sendo investigadas pelo Ministério Público Federal (MPF).

A partir de informações enviadas por moradores de comunidades de Barcarena, o MPF instaurou procedimento e solicitou análises ao Instituto Evandro Chagas (IEC) no final de janeiro.

O instituto coletou amostras de águas das praias do Caripi, Itupanema, Conde e Beja, e do entorno do porto da Vila do Conde, em Barcarena, e na última semana apresentou nota técnica sobre os resultados da coleta.

Os pesquisadores do instituto vinculado ao Ministério da Saúde informam que a mudança de coloração e o surgimento de uma espécie de pasta verde na água ocorrem pela multiplicação excessiva de microorganismos chamados de cianobactérias, também conhecidos como algas azul-esverdeadas.

Nas amostras coletadas pelo IEC, a densidade de cianobactérias estava até 22 vezes acima do limite estabelecido pela legislação sobre qualidade de água.

Os cientistas apontaram ainda que essa substância pode provocar irritação da pele humana e é imprópria para banho e consumo.

A água não deve ser usada mesmo que seja filtrada ou fervida.

Outro risco provocado pelo aumento excessivo – a chamada floração – de cianobactérias é a redução do oxigênio na água, o que pode acarretar mortandade de peixes.

AÇÃO CONJUNTA

Em reunião promovida pelo MPF no último dia 25, instituições ambientais e sanitárias foram chamadas a atuar de maneira integrada para monitorar a intensidade das florações, medir os riscos e buscar evitar ou reduzir novas ocorrências do fenômeno, incluindo a realização de fiscalizações de campo para identificação de fatores causadores da proliferação excessiva de microorganismos.

Para a reunião em que o IEC apresentou os resultados, foram convidados pelo MPF representantes do Ministério Público do Estado do Pará (MPPA), do Centro de Perícias Científicas Renato Chaves (CPCRC), da Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade do Pará (Semas), da Secretaria de Estado da Saúde (Sespa), e das Secretarias de Saúde e de Meio Ambiente dos municípios de Barcarena, Abaetetuba, e Ponta de Pedras.

Nos próximos dias, o IEC deve apresentar ao MPF e demais instituições a avaliação sobre se as cianobactérias estão ou não expelindo essas substâncias tóxicas na água.

Fonte: DOL

Parceiros
Fernanda Araújohttp://mojunews.com/
Jornalista. Pós-graduanda em Assessoria de Comunicação e em Marketing e Redes Sociais. Graduanda em Psicologia.
spot_imgspot_imgspot_img

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

spot_imgspot_img
Parceiros

Must Read

Pastor é preso por abusar de criança de 7 anos no...

0
Nessa terça-feira, 19, a Polícia Civil prendeu Pedro Fernandes dos Santos Neto, conhecido como pastor Pedro, depois de ser flagrado ao abusar sexualmente de...